4 MAR 2022, 21h

  • TEATRO MUNICIPAL JOAQUIM BENITE – Sala Principal / Programação TRANSBORDA

LE CRI e SUR LE FIL

NACERA BELAZA

 

Le Cri (2008, Prémio de Melhor Coreografia do Sindicato da Crítica de Dança Francesa)

Coreografia: Nacera Belaza

Intérpretes: Dalila Belaza, Nacera Belaza

Iluminação, Edição de som: Christophe Renaud

Parcerias

Coprodução: Rencontres Chorégraphiques Internationales de Seine-Saint-Denis, Le Forum – Blanc-Mesnil, AARC (Agência argelina para a difusão Cultural – Ministério da Cultura da Argélia), Embaixada da França na Argélia, Centre de Développement Chorégraphique / Biennale Nationale de Danse du Val-de-Marne, Centre Chorégraphique National de Caen – Baixa Normandia, Centre Chorégraphique National de Créteil – Val-de-Marne.
Apoio: DRAC Ile-de-France, Région Ile-de-France, Conseil Général de la Seine-Saint-Denis, Association Beaumarchais, Culturesfrance / Ministère des Affaires Étrangères e ONDA (difusão).

 

Sur le Fil (2016, abertura do Festival Montpellier Danse)

Coreografia: Nacera Belaza

Intérpretes: Dalila Belaza, Nacera Belaza, Aurélie Berland, Bethany Emmerson

Conceção de som e luz: Nacera Belaza

Iluminação, Edição de som: Christophe Renaud

Parcerias

Produção: Compagnie Nacera Belaza
Coprodução: Festival Montpellier Danse, La Villette Paris, Centre Chorégraphique National de Tours / Direção Thomas Lebrun (acolhimento), Le Centre National de la Danse – Pantin (criação em residência), Moussem- Bélgica, Collectif 12- Mantes la Jolie- com o suporte de la DRAC Ile de France – apoio a residência, Bozar – Palais des Beaux-Arts de Bruxelas, Künstlerhaus Mousonturm de Frankfurt, Alemanha.
Com o suporte de Fonds Transfabrik (França-Alemanha)
Apoio ao projeto: Spedidam
A Companhia é subvencionada pela Região Ile-de-France e DRAC Ile-de-France / Ministère de la Culture et de la Communication. É apoiada pelo ONDA para difusão em território francês e pelo Instituto Francês para difusão internacional.

 

Classificação etária: M/12

Duração: 90 min.

Preçário: Adultos – €10 | Jovens, Seniores, Grupos (+10) – €7.50

Fotografia©C.Farina

 

 

 

Um programa duplo com duas peças fundamentais de Nacera Belaza, Le Cri de 2008 e Sur Le Fil de 2016. Belaza coreografa como uma espécie de inversão da lógica física e mental, desestabiliza princípios físicos e nos direciona para o que parece aparentemente impossível.

Le Cri – “Sensação curiosa de que esta peça deveria ter sido a primeira… Uma espécie de movimento que vai do íntimo à superfície, até o desaparecimento. Um caminho que minhas peças percorrem incansavelmente. Mas talvez esta não vá mais longe, atém-se neste lugar, contém o grito e termina com ele… Através desta peça o meu propósito artístico não se expande, ele se concentra em seu ponto de origem. Esta peça escava dentro de nós, resistindo na verticalidade, ela atrai e jorra. O grito é quando a âncora não cede. É uma ideia simples, vital e sem fim…” Nacera Belaza

Sur le Fil – Persistindo numa lógica de introspeção pessoal que leva ao encontro do Outro, em Sur le Fil, Nacera Belaza experimenta a transcendência partilhada com as intérpretes e o público. Desde as primeiras apresentações, a sua dança, ao mesmo tempo hipnótica, minimalista e meditativa, expande o corpo ao extremo, permitindo-lhe ir além. Os espectadores, tal como as intérpretes, estarão sobre o limbo, um fio que representa o equilíbrio entre deixar cair, abandono e elevação da consciência de forma que a mente e o corpo cedam e não representem um obstáculo. “Só então, equilibrando-nos neste fio, por um tempo indefinido, aceitamos que não sabemos mais.” Nacera Belaza

 

Nacera Belaza nasceu na Argélia e vive em França desde os cinco anos de idade. Após ter estudado literatura, cria sua própria companhia de dança em 1989. Belaza coreografa uma jornada interna, numa escuta sensível do corpo, do espaço, do vazio. Potencializa as áreas de sombra e luz, a vertigem, a repetição, e transforma a dança num mergulho vertical introspetivo. As suas obras exploram o movimento numa respiração serena, profunda e contínua, despojando o “ruído ensurdecedor da existência”, dando ao gesto a sua utilidade existencial.

Em 2008, Belaza recebeu o Prix de la Révélation Chorégraphique de l’année du Syndicat de la Critique para a sua peça Le Cri. Foi distinguida diversas vezes, tendo recebido do Ministério da Cultura francês o título de Chevalier de l’Ordre des Arts et des Lettres (2015) e o Prix Chorégraphe de Société des Auteurs et Compositeurs Dramatiques (2015). Seus trabalhos são regularmente apresentados na Europa, na África, na Ásia e na América do Norte. É convidada para festivais como Montpellier Danse, Rencontres Chorégraphiques Internationales de Seine-Saint-Denis, Festival d’Avignon, Bienal de la Danse de Lyon, Kunstenfestivaldesarts, Festival de Marseille, entre outros. Para além do seu trabalho na Europa e na cena internacional, fundou uma cooperativa artística na Argélia e dirigiu a programação do festival de dança contemporânea “Le Temps Dansé”.