12 MAR 2022, 20h

  • CASA MUNICIPAL DA JUVENTUDE DE CACILHAS - Ponto de Encontro / Programação TRANSBORDA

LA BURLA

BRUNO BRANDOLINO E BIBI DÓRIA

 

Direção e performance: Bruno Brandolino

Cocriação e performance: Bibi Dória

Desenho de iluminação e espaço: Leticia Skrycky

Figurino: Nina Botkay

Produção Executiva: Carolina Goulart

Olhar Artístico: Bruno Moreno

Apoios: Fundação GDA (PT) e Materiais Diversos (PT) através do programa de consultoria em produção Novos Materiais.

Apoio a Residências: O Espaço do Tempo (PT), Proyecto 23 Milhas (PT), La Caldera (ES), O Rumo do Fumo (PT), Estúdios Victor Córdon (PT), Fórum Dança (PT), Escola Superior de Dança (PT), Casa da Dança de Almada (PT) e CAMPUS – Paulo Cunha e Silva (PT).

Parceiro Institucional: Programa Garantir Cultura | República Portuguesa – Ministério da Cultura (PT)

Agradecimentos: Gabriela Orestes, Renata Torralba, Alina Ruiz Folini, Sofia Matos, Joana Silva, Dora Carvalho, Carolina Nogueira, Miguel Pereira, Luhdy Sardinha, Tamara Catharino, Joana Penido, Luísa Jubilut, Luisina Perez, Lara Ferrari, Cathrin Jarema, Manoela Uranga, Julián Pacômio, Carolina Campos e Gisela Dória.

 

Classificação etária: M/16

Duração: 40 min.

Preçário: Adultos – €6 | Jovens, Seniores, Grupos (+10) – €5

Reservas: casadadanca@casadadanca.pt

Fotografia©Tristán Pérez-Martín

 

 

La Burla é uma ficção coreográfica que acompanha duas figuras situadas em uma realidade distópica. O encontro entre o sagrado e o profano toma forma em rituais e invocações de entidades que submergem das profundezas. Santas, bruxas, videntes, diabos, monstros e heroínas atravessam o imaginário desta peça, dando voz e corpo a um variado repertório iconográfico medieval.

La Burla é o resultado da parceria entre Bruno Brandolino (UY) e Bibi Dória (BR) em colaboração com Leticia Skrycky (UY). A pesquisa desta peça mobiliza perguntas que correspondem tanto a um pensamento coreográfico quanto a um desenvolvimento ficcional. Perguntamo-nos: Quais as relações possíveis entre coreografia e ficção?

Neste sentido, foram construídas práticas e procedimentos coreográficos que nos permitiram trabalhar com um repertório iconográfico específico e construir ficção a partir de sua ativação. Este repertório reúne imagens que percorrem vários séculos de produção visual na Idade Média e discursam sobre religião, paganismo, magia, contrapondo claramente duas visões de mundo: a oficial, ditada pela Igreja, e a não oficial, ligada aos ritos pagãos e as festas populares. Em La Burla, convocamos estes corpos e sujeitos de tempos históricos distantes para reverberar em nossos corpos contemporâneos como estratégia para gerar uma ficção ambígua, fortemente expressiva e absurda.

 

Bruno Brandolino – Coreógrafo e performer. Graduado pela Escola Multidisciplinar de Artes Dramáticas (EMAD) e pelo inDANS – Escola de Artes do Movimento (UY). Trabalhou como performer na Perro Rabioso da coreógrafa Tamara Cubas e GEN Danza de Andrea Arobba, em contextos latino-americanos e europeus.

Em Portugal, colaborou como performer para Sofia Dias e Vítor Roriz, Carlos Manuel Oliveira e Bruna Carvalho. Em 2019 começa a sua atividade como coreógrafo com a criação da peça “El universo no se asemeja a nada”, criada no PACAP II do Fórum Dança (PT), com curadoria de Sofia Dias e Vítor Roriz, apoiado pela bolsa FEFCA do Ministério da Cultura do Uruguai, apresentada no Espaço Alkantara (PT), CDCN (FR), Festival für Darstellende Künste (DE), Cartografías #2 (PT), Centro Cultural de España (UY).

 

Bibi Dória – Graduada em Dança pela UNICAMP (BR). Trabalha na intersecção entre a dança, a performance e a linguagem audiovisual. Realizou seu primeiro trabalho solo no PACAP (Fórum Dança) com a curadoria de Sofia Dias e Vítor Roriz, apresentado no CDCN (FR), Festival Cartografias #2 (PT) e Festival Planalto (PT) em 2021. Em 2018, criou a obra virtual Follow Me em parceria com a coreógrafa Sofia Kauer no Espaço La Sede (AR) e realizada no Encontro Bienal (Re)Union (PT). Colaborou como atriz na peça A Menor Língua do Mundo de Alex Cassal e Paula Diogo, estreada em 2019 no Festival Materiais Diversos e atualmente colabora como performer no projeto Cobertos Pelo Céu de Gustavo Ciríaco. Em 2020 foi premiada com a Residência Dança no MIS – Museu da Imagem e do Som – São Paulo (BR) e recentemente realizou a performance nome de filme durante o programa Interferências 2021 (PT).