31 OUT 2020, 21h30

  • FÓRUM MUNICIPAL ROMEU CORREIA - Auditório Fernando Lopes-Graça

QUOTIDIANO amuse toi

ANA JEZABEL

Direcção Artística, Coreografia e Interpretação Ana Jezabel

Co-criação e Interpretação Ángela Díaz Quintela

Desenho de Luz e Direcção Técnica Sara Garrinhas

Cenografia Bordalo II e Tomás João

Imagem e Vídeo Joaquim Leal

Arranjo musical Ana Jezabel

Figurinos Ana Jezabel e Ángela Díaz Quintela 

Produção Ana Jezabel

Co-produção Casa da Dança

Apoio ZfinMalta

Residência e cedências de espaço de ensaios Casa da Dança, ZfinMalta, Companhia de Dança de Almada, Teatro Campo Alegre / Cia. Instável e Ginasiano

 

Agradecimentos Paulo Ribeiro, Miquel Bernat, Rosário Balbi

 

Classificação etária: M/6

Duração: 45 min.

Preço: Adultos – €6 | Jovens, Seniores e Grupos – €5

Um dia, um Quotidiano com foco na natureza onde cada hora de luz dá lugar a um novo elemento. Um diálogo entre os animais e a fluidez de dois corpos que vivem do movimento giratório mútuo entre eles até o sentido de humor surgir como característica inevitável do ser humano.
Duas mulheres vagueiam por um mundo imaterial e concreto e param para observar, escutar, aceitar a mutação inerente da matéria. Deixam-se guiar por fluxos e energias que intuem, mas não controlam.
Tudo nasce partícula e em partícula se transforma, dando lugar ao infinito.
Esta é uma coreografia a duas, feita da relação intrínseca e coordenação de forças e fragilidades.

 

Ana Jezabel (Lisboa, 1990) – Com 10 anos ingressou na Escola de Dança do Conservatório Nacional. Iniciou a licenciatura na Escola Superior de Teatro e Cinema, mas decidiu mais tarde aprofundar os estudos em dança contemporânea na Escola Superior de Dança, onde frequentou o programa ERASMUS na Fontys (Holanda) e trabalhou com Eddy Becquart, Gabriella Maiorino e Hilde Elbers. Licenciou-se em 2014.
Como experiência profissional participou em 2013 no festival Ao Gosto em co-criação com Duarte Valadares onde apresentou “Silent Mercy”. Na Companhia Instável como estagiária e intérprete dançou “Free” de Gregory Maqoma (2014). Já em 2015 trabalhou com Marco da Silva Ferreira interpretando um excerto da peça “Hu(r)mano” e com a Companhia Instável, sendo parte do elenco da peça “Cribles” de Emmanuelle Huynh. Iniciou o projeto de co-criação Ana Jezabel + António Torres com a peça “OUTRO EM MIM QUE EU IGNORO”  (2015; PT 17), e “A IMPORTÂNCIA DE SER desNECESSÁRIO” (Guidance, 2017). Desde 2015 trabalha com a Companhia Paulo Ribeiro onde faz parte do elenco da peça “A Festa (da insignificância)” e de “Ceci n’est pas un film – dueto para maçã e ovo”. Criou um solo no âmbito do festival TODOS, dirigido por Madalena Victorino e Giacomo Scalisi. Colaborou com Romeo Castellucci nas peças “ETHICA NATURA E ORIGINE DELLA MENTE” (2017) e “DEMOCRACY IN AMERICA” (2018). Recentemente começou a trabalhar em França com Héla Fattoumi e Éric Lamoureux, CCN Bourgogne. Co-criou “A Caminhada” de Bruno Alexandre com Francisco Rolo (2020). Destaca a participação no projecto do Théâtre National Chaillot, em Paris, “Minute de Silence” (2017), com o coreógrafo Paulo Ribeiro, do qual foi Assistente Coreográfica para a criação de “Walking with Kylián. Never Stop Searching” (2017) e para a Companhia Nacional de Bailado em “Le Chef d’Orchestre” (2019).